A Ilha do Marajó é um paraíso escondido no litoral Norte do Brasil, entre o Pará e o Amapá. Conhecida pela natureza exuberante, a gastronomia peculiar e o artesanato rústico, a Ilha do Marajó tem os seus segredos guardados em recantos preservados e muito especiais.

Nesse guia completo sobre o Marajó nós vamos te mostrar o melhor da Ilha, aquelas dicas imperdíveis, o que fazer na Ilha do Marajó e sugestões de roteiro para você curtir o máximo dessa experiência.


Por que viajar para a Ilha do Marajó, no Pará?

A Ilha do Marajó é banhada tanto pelo Oceano Atlântico quanto pelos rios Amazonas e Tocantins. Isso faz do Marajó o maior arquipélago flúvio-marítimo do mundo, com seus mais de 40.000 km² de extensão. Como se não bastasse isso, é no Marajó que se encontra a maior concentração de búfalos do Brasil.

Os búfalos são parte da cultura local, você vai ver vários deles em pastos ou andando no meio da rua livremente. Até a polícia montada vai de búfalo em vez de cavalos. Além disso, o queijo de búfala e a carne de búfalo são iguarias marajoaras. Eu experimentei os dois e recomendo! O queijo é muito gostoso e a carne é tão macia que você até esquece que é um prato incomum.

A Ilha do Marajó é bem grande, chegando a se dividir em 16 municípios. Entre eles, os principais são Salvaterra e Soure, sendo ambas o foco das atrações e passeios turísticos.

Existem várias teorias sobre o nome Marajó, a mais aceita é de que ele nasceu do tupi Mbara-yó / Mibaraió e quer dizer anteparo do mar ou tapamar. Ou seja, uma espécie de proteção ou abrigo do mar.

ilha do marajó
É bem comum na Ilha do Marajó ver búfalos andando livremente! | Foto: @redthetraveler

A cerâmica marajoara é conhecida pela sua riqueza de detalhes, até hoje é uma arte passada de geração em geração e ensinada nas escolas de artesãos da ilha.


Como chegar na Ilha do Marajó

Chegar na Ilha do Marajó já é uma aventura. Existem, oficialmente, 2 formas de se chegar até à Ilha do Marajó: por via aérea ou marítima. Entre os meios de transporte disponíveis, você pode escolher avião de pequeno porte, balsa ou barco rápido.

Entre as balsas, as de passageiros saem do Terminal Hidroviário em Belém e você pode escolher entre duas empresas para fazer a travessia. A viagem dura cerca de 3h30 e os bilhetes custam por volta de R$25. As balsas para veículos, como nós escolhemos, custam em torno de R$140 por carro (+ motorista).

ilha do marajó
As balsas que fazem o trajeto até a Ilha do Marajó | Foto: @redthetraveler

Há também a opção do barco rápido que faz a travessia em cerca de 2 horas, ideal para quem enjoa em barco ou quer chegar logo na Ilha. As passagens custam em média R$48 por trecho e podem ser compradas online.

Para chegar de avião, a opção menos usada, você pode procurar pela empresa Azul Conecta no próprio aeroporto de Belém e se preparar para um voo de 25 minutos. Atenção! Os voos saem somente às segundas e sextas às 11h.

Para chegar até a Ilha, nós decidimos pegar uma balsa para veículos que faz a travessia Porto de Icoaraci em Belém x Porto Camará no Marajó. Nós alugamos um carro no aeroporto e ficamos com ele a viagem inteira, então o nosso carro também foi na balsa com a gente.

Os carros vão todos “estacionados” no primeiro andar da balsa, um atrás do outro. Existem travas de segurança entre os carros, mas não é recomendado viajar dentro deles – apesar de algumas pessoas fazerem isso. O mais seguro é ir no segundo andar da balsa, onde ficam as cadeiras para passageiros. Além de mais seguro, ver a paisagem das janelas do segundo andar é mais interessante.


Qual é a melhor época para visitar a Ilha do Marajó

Assim como quase todos os destinos amazônicos, o Marajó é uma região muito úmida o que traz chuva para a ilha durante boa parte do ano. Portanto o ideal para curtir melhor a viagem é escolher ir quando chove menos.

A baixa temporada é estação das chuvas, então talvez não seja a melhor escolha. Nós acabamos indo em abril e mesmo tendo dias agradáveis, pegamos uma chuvinha chata que nos fez correr para fora da praia algumas vezes.

ilha do marajó
Cena comum de se observar na Ilha do Marajó! | Foto: @redthetraveler

A alta temporada no Marajó é o inverno, entre julho e novembro faz um calor bom na ilha e quase não chove. Por isso, atenção: se você preferir ir nesta altura é bom reservar tudo com antecedência e saber que as praias vão estar mais cheias.

Evite os meses de férias e você conseguirá aproveitar a ilha mais vazia e sem chuvas.


Onde se hospedar na Ilha do Marajó

A Ilha do Marajó tem paisagens tranquilas e bucólicas. Se hospedar na Ilha é uma imersão nessa natureza quase intocada, um mergulho no silêncio que só é interrompido pelo barulho do rio ou do mar.

Para escolher onde se hospedar no Marajó, saiba onde ficam os seus pontos de interesse. As cidades de Salvaterra e Soure são as mais turísticas, então tem um pouco mais de infraestrutura, além de ficarem mais perto dos passeios mais interessantes.

Um lembrete é que o Marajó é uma região bem humilde, então as pousadas são mais rústicas e simples, não espere resorts.

ilha do marajó
Rio Marajó

01. Soure

O Habitat Marajó Hostel é um albergue em Soure, ideal para grupos de amigos ou mochileiros que queiram fazer amizade. Os móveis são todos de madeira e pallets, a cozinha e o banheiro são compartilhados e também é oferecido café da manhã. A entrada da pousada já dá um gostinho do artesanato marajoara e o jardim amplo é ótimo pra trocar ideia ou tirar um tempinho de contemplação da natureza.

Com acomodações mais modernas, o Carabao Hostel fica em Soure e é uma ótima opção para quem busca um pouquinho mais de conforto. Todos os quartos têm ar condicionado, wi-fi grátis e banheiro privativo. A vista dos quartos é para a cidade e o hostel oferece, também, quartos familiares.


02. Salvaterra

A Pousada Princesa da Ilha tem aquela carinha de casa do interior. Uma rede na porta de cada apartamento, móveis de madeira e decoração com artesanato local. Todos os quartos têm vista para o jardim e a pousada oferece café da manhã. Ideal para slow travelers e famílias.

A Pousada dos Corações é uma gracinha! Todos os chalés têm janelas em formato de coração, o que dá um ar de conto de fadas para a pousada. O espaço conta com jardim amplo, pátio com redes e também um bar. Entre as facilidades estão uma área de estar partilhada, lavanderia e estacionamento gratuito.

A Pousada dos Corações está a 500m da Praia Grande, 1 km da Praça Central Jarbas Passarinho e 19 km da Praia de Joanes.


03. Joanes

A Pousada Vila Joanes fica literalmente na beira da Baía de Marajó. A pousada mais instagramável dessa lista conta com um deck de madeira com rede e tudo de frente pro mar da praia de Joanes. Excelente para casais, a recepção é 24h e o espaço conta com uma cozinha compartilhada e local para estacionamento gratuito. Os quartos vão desde casal até família e tem até a opção de acomodação para pessoas com mobilidade reduzida.

Mais uma opção em Joanes, a Pousada Holístico Marajó tem piscina, um jardim enorme e vista pro mar. À disposição de quem se hospeda, além da natureza exuberante, estão atividades como aulas de ioga e até acupuntura. Para quem busca uma conexão maior com a natureza e consigo mesmo, essa é a pousada ideal.

Ótima para casais, alguns quartos têm vista para o lago e outros para a piscina, existe um restaurante dentro da pousada e o estacionamento é gratuito.


O que fazer na Ilha do Marajó: 7 passeios imperdíveis

01. Centro de Soure

Soure é a cidade mais turística da Ilha do Marajó. Andar pelo centrinho é esbarrar em construções antigas como o Cruzeiro, o Obelisco, a Capela de São Sebastião, a Igreja Matriz e outras igrejas históricas.


02. Praia Barra Velha

Uma praia calma e pouco frequentada, a Barra Velha fica a 3 km do centro de Soure e é deliciosa. Nessa praia nós vimos um peixinho muito engraçado que se chama tralhoto e tem os olhos mais acima da cabeça, para enxergar ao mesmo tempo em cima e embaixo d’água, parecendo ter 4 olhos. Fica de olho na maré baixa que ele vai aparecer por lá.


03. Praia do Pesqueiro

A praia mais gostosinha do Marajó é a praia do Pesqueiro. Nela, encontram-se vários guarda-sóis de palha, quase todos com redes. Ideal para descansar, beber uma água de coco e ver as famílias de búfalos brincarem na beira do mar. Tem quiosques e é ótima pra almoçar. É a praia que recebe mais visitantes, podendo ficar bem cheia na alta temporada.

ilha do marajó guia
Praia do Pesqueiro | Foto: @redthetraveler

04. Praia do Araruna

A 3 km de Soure, a praia é simples e mais sossegada nos meses de baixa temporada, podendo receber muitos visitantes nas férias. Não tem muita infraestrutura, então se prepare para levar a sua própria comida e água se quiser passar mais tempo lá.


05. Praia de Joanes + Ruínas dos Jesuítas

As ruínas datadas do século XVIII guardam a história da colonização e de todo o trabalho feito pelos padres Jesuítas junto à comunidade nativa. A praia é calma e a região conta com alguns restaurantes e um centro de artesanato.


06. Passeio de barco no rio Paracauari

Uma volta de barco é uma ótima opção pra quem quer curtir o rio, não só o mar no Marajó. Por cerca de R$50 por pessoa, você pode fazer o passeio num barquinho a motor passando pela Praia do Garrote, o Farol de Soure e também o manguezal do Furo do Miguelão. No caminho, é possível avistar macacos e vários pássaros nas margens do rios e até botos, se você tiver sorte.


07. Centros de Artesanato

Você pode escolher qual centro de artesanato quer conhecer. A Ilha conta com alguns e os maiores são da SOMA – Sociedade Marajoara de Artes, Mbarayó Cerâmica – Cerâmica do Marajó e a Casa do Artesão. Cada um desses espaços tem uma oferta grande de produtos feitos de cerâmica, numa técnica que é passada de geração em geração há mais de 500 anos.

Outro passeio que é bastante procurado na Ilha são as Fazendas Marajoaras. Uma delas ficou conhecida por ter sido cenário de novelas, séries e ensaios fotográficos. Nessas fazendas são oferecidos, entre outras coisas, passeios de búfalo.

Caso você queira fazer um desses passeios, procure saber se as fazendas cuidam bem dos animais, se é um turismo sustentável ou se não vai de encontro aos seus valores pessoais. Turismo consciente é sempre mais importante.

Centrinho de Marajó

Sugestão de Roteiro na Ilha do Marajó: 3 dias

Independente se você tem 3, 5 ou 7 dias de viagem, vale a pena incluir a Ilha do Marajó no seu roteiro. É claro que, quanto mais tempo você ficar, mais vai compensar o deslocamento e você vai conseguir conhecer mais do lugar. Abaixo, separamos sugestões para 3, 5 e 7 dias de viagem na Ilha do Marajó, para ajudar você na hora de planejar os passeios por lá!

Dia 1: Chegada no Marajó + Passeio no Centro de Soure + Jantar

Dia 2: Praia Barra Velha + Praia do Pesqueiro

Dia 3: Casa do Artesão + Almoço + Retorno a Belém


Sugestão de Roteiro na Ilha do Marajó: 5 dias

Dia 1: Chegada no Marajó + Passeio no Centro de Soure + Jantar

Dia 2: Praia Barra Velha + Praia do Pesqueiro

Dia 3: Passeio de barco no rio Paracauari + Praia do Araruna

Dia 4: Praia de Joanes + Ruínas dos Jesuítas

Dia 5: Casa do Artesão + Almoço + Retorno a Belém

ilha do marajó
foto: @redthetraveler

Sugestão de Roteiro na Ilha do Marajó: 7 dias

Dia 1: Chegada no Marajó + Passeio no Centro de Soure + Jantar

Dia 2: Praia Barra Velha + Praia do Pesqueiro

Dia 3: Passeio de barco no rio Paracauari + Praia do Araruna

Dia 4: Tour pelos manguezais + Jantar

Dia 5: Praia de Joanes + Ruínas dos Jesuítas

Dia 6: Museu do Marajó + Casa do Artesão

Dia 7: Voltar na sua praia preferida + Almoço + Retorno a Belém


Onde comer na Ilha do Marajó

A gastronomia do Pará é repleta de iguarias únicas e muito saborosas. No Marajó não seria diferente.

O tradicional da comida paraense passa pelas castanhas, tacacá, açaí, pato no tucupi, filé de filhote e arroz com jambu. Isso sem falar nas frutas da região como cupuaçu, graviola, bacuri e taperebá. As cervejas típicas do Pará são a Tijuca Cerpa, estilo pilsen convencional, e a Amazon Beer, uma cervejaria artesanal que faz misturas muito especiais com frutos da região.

castanha do pará
A tradicional castanha-do-pará, encontrada aos montes na região!

Além de todas essas delícias, no Marajó você ainda pode comer manteiga e queijo de búfala, turu (uma espécie de molusco, comum nos manguezais), filé marajoara (carne de búfalo com queijo por cima) e camarão rosa com farinha d’água.

açaí
Não deixe de experimentar o Açaí!

Você vai encontrar todos esses pratos nos restaurantes do Marajó. Eu recomendo experimentar os quiosques da beira das praias, que além da comida com gostinho de caseira, de quebra tem vista pro mar ou pro rio. Mas aqui vai também uma listinha com restaurantes para não perder:

Solar do Bola: O restaurante, em Soure, oferece pratos típicos da região como caldo de turu ou de caranguejo, bife marajoara, queijo de búfala e suco de frutas locais, mas também tem pizza pra quem prefere uma refeição mais rápida.

Patú-Anú: Localizado em Soure, o restaurante é simples mas serve muito bem. Os preços são justos e os pratos são variados, desde os muitos tipos de peixes diferentes até o mais tradicional da ilha como búfalo e queijo.

Casarão Amazônia: O restaurante do Hotel Casarão Amazônia também é uma ótima opção e oferece pratos super tradicionais do Pará. Alguns dos diferenciais do cardápio são o pão de açaí com manteiga de bacuri, o ceviche de turu e o molho pesto paraense, feito com castanha do Pará.


Quanto custa viajar para a Ilha do Marajó?

A Ilha do Marajó é mais um daqueles destinos que cabem em todos os bolsos. Por ser uma região mais humilde, você encontra facilmente atrações mais baratas, exceto, claro, na alta estação.

Fizemos um resumo dos gastos que você poderá ter, considerando passagens de avião + aluguel de carro + passeios + alimentação. Saiba que esses valores são aproximados e dependem da estação, do tempo de viagem e de outros fatores como, por exemplo, eventuais promoções de passagens aéreas.

ilha do marajó
Uma das praias da Ilha do Marajó vista de cima, durante a maré baixa

Um detalhe muito importante é levar dinheiro em espécie! Existem apenas 2 bancos na Ilha e boa parte dos lugares não aceita cartão. Garanta uns bons trocados na carteira para não passar perrengue.

Passagem: Num voo direto Rio x Belém, você paga um pouco mais do que R$200. Compare sempre as opções e veja se um voo com uma ou mais paradas é melhor para você.

Hospedagem: o quarto pode varia desde R$80 a R$230 dependendo da sua escolha entre quarto compartilhado ou chalé para casal.


Dica: faça a sua reserva pelo Booking e garanta os melhores preços!


Alimentação: por volta de R$90 por dia, por pessoa, incluindo almoço, um eventual lanche e jantar. Esse valor contempla o fator “pé na areia” de muitos restaurantes.

Passeios: Um tour pelos manguezais em Soure custa R$150 e inclui um lanchinho no final. Um passeio de barco no rio Paracauari custa por volta de R$50. As praias, centro histórico e ruínas jesuíticas são todos gratuitos.

Traslados: Se você não alugar um carro, considere o táxi do aeroporto de Belém até o Porto de onde saem os barcos + o valor do barco + o táxi até a sua pousada.

Os barcos que fazem a travessia Belém x Marajó podem custar entre R$28 a R$35 dependendo da sua escolha. Se você vai de carro, considere R$180 para o carro + motorista e um adicional de R$17 para cada passageiro extra acima de 6 anos.

Dentro da ilha, no traslado entre Soure e Salvaterra, você poderá ir tanto de barco popopô (R$4) ou rabeta (R$7) quanto na balsa gratuita que sai de hora em hora. Fique atento! Caso esteja de carro, existe uma taxa mais alta.


Pronto para viajar para a Ilha do Marajó?

A Ilha do Marajó é um dos recantos mais calmos do Brasil, ideal para uma conexão real com a natureza, para aquelas férias desaceleradas e para um mergulho mais profundo na cultura ribeirinha. Perfeito, né? E aí, já está de malas prontas para conhecer a Ilha do Marajó? Deixa um comentário aqui embaixo contando o que mais você quer saber sobre a ilha e qual cantinho você ficou com mais vontade de conhecer.


Você também pode gostar de ler

Seguro viagem nacional: Vale a pena? Quanto custa? Qual é o melhor?

Para onde viajar em 2021 (Pós Coronavírus): 30 destinos internacionais e nacionas
Roteiro de viagem: 10 dicas imperdíveis para você montar o seu
Destinos baratos no Brasil: 10 cidades incríveis para conhecer gastando pouco

OBS: é provável que você encontre links de afiliados nesse post. Portanto, se você utilizou os nossos links para fazer as reservas da sua viagem, muito obrigada! É dessa forma que mantemos o blog ativo e sempre atualizado, pois ganhamos uma pequena comissão gerada através dessas vendas - e você não paga nada a mais por isso!
Quem escreve | @redthetraveler
Red
Mais uma que foi picada pelo bichinho viajante e não consegue parar quieta num lugar só. Viaja para conhecer outras culturas, fotografar, se conectar com a natureza e comer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *